17
Out 11
Sai Corvêlo, entra Carrão?

Já não é de hoje o dito "folclore" nabantino da gestão autárquica, começou por ser uma dança a solo, onde figurava o PSD de António Paiva, para ser hoje dançado a pares, leia-se pelo PS e guiado pelo PSD. Estas coisas folclóricas são sempre a mesma coisa, ora chega, chega ao voto, ora arreda lá para trás e toda a gente diz mal. São danças do povo.

 

 

Pois é, mas desengane-se quem pensa que não há mais concorrentes a entrar na dança, depois de anos em constante campanha semi-autárquica, Carlos Carrão percorreu tudo o que é canto do município, diria até que não há mesa de colectividade, clube ou qualquer associação por onde não tivesse passado o Dr. Carrão, recordista em almoçaradas de fim-de-semana, daquelas onde o zé povinho estende a mão cordialmente para cumprimentar uma figura pública do concelho, almoços onde se dá a conhecer a imagem que as populações não conhecem ideias, muitos dirão que é muito boa pessoa mas poucos sabem ao certo que propostas terá para o concelho que não seja o tradicional come-e-bebe.

 

 

Ninguém faz a mais pálida noção de quais são as suas ideias precisamente porque, tal como todo o PSD e grande parte do PS e pseudo-independentes, não as tem, Carlos Carrão e, diga-se em abono de verdade qualquer outro elemento da cúpula social-democrata, é uma imitação à escala da célebre evolução na continuidade, que como todos sabem, significa em termos práticos, evolução na estagnação. Então, como o PSD não foi nem é capaz de governar minimamente bem o Município de Tomar, tem que ir apresentando um candidato que, pela força da erosão visual dos munícipes, lhes pareça natural e assim, permita capitalizar votos pelo efeito "perda de memória" dos eleitores.

 

Não é, portanto, alheio à compreensão da dicotomia Carrão-almoços, assim como Passos Coelho-Chumbo do PEC para depois ser eleito.

 

Na verdade nem um (Corvêlo de Sousa) nem outro (Carlos Carrão) são melhor ou pior que o outro, são diferentes em estratégia e acção, porém, muito iguais em eficácia e eficiência autárquica, não se anulam nem se complementam, são perfeitas nulidades quanto ao que podem fazer por Tomar diz respeito. Isso, claro está, estende-se a todo o PSD, não há uma visão, uma estratégia, um plano económico que fosse, trata-se sobretudo de um "deixa andar" ferozmente atroz e, isso temos vindo a sentir ano após ano, lustro após lustro.

 

publicado por Virgilio Alves às 23:58
tags:

Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
28
29

30
31


pesquisar
 
Tomar Sentido +1 Demo: Async render
blogs SAPO